Híbrido: Resiliente e Carne Exposta – Elisa de Azevedo

Resiliente e Carne Exposta - Elisa de AzevedoQuem acompanha o blog sabe que conheci o trabalho da Elisa de Azevedo num evento sobre quadrinho que aconteceu há pouco tempo na minha cidade. No primeiro momento eu fiquei fascinada pela arte dela e isso só foi um passo para me interessar por seus títulos híbridos.

Defino como híbrido, porque as duas obras apresentam uma estrutura entre o quadrinho e o livro ilustrado. Até parece que já vimos algo parecido em algum lugar, mas não. Esta composição tem uma força diferente.

Comecei a leitura com Resiliente (*acho que inconscientemente para me preparar com o que viria depois*). Com um fluxo de consciência poético, a autora usa elementos que indicam a direção daqueles sentimentos tão pessoais e facilmente identificáveis.

Desde não sei quanto tempo de vida temos consciência das coisas ao nosso redor. Percebemos no nosso primeiro contato com a água (*interpretei como sendo na barriga da mãe*). Desenvolvidos, notamos que algo interno, seja a personalidade e / ou a sexualidade, difere das regras do meio. Este detalhe que não é aceito e nem respeitado. Deste modo nossa porta se fecha por causa da intolerância alheia e quando não se tem confiança é difícil tomar a atitude em abri-la. Só que de certa forma conseguimos, pois caminhos diferentes aparecem e proporcionam escolhas, que afetará mais uma vez nossa percepção de nós mesma e do mundo. Talvez uma mudança na nossa confiança. Também as pessoas que nos querem bem fazem parte desse processo, já que são pistas para este melhor caminho.

Resiliente_Arte

Resiliente

Minhas impressões sobre Resiliente pode não ser a correta e estar simplista, mas naquelas páginas senti como se tivesse uma conversa amigável com a personagem Volúpia, já que compartilhamos sobre nossa capacidade de lidar com nossos problemas internos e sociais.

Sobre Carne Exposta, que híbrido visceral! Com certeza uma das melhores leituras de 2016. Nesta pequena, mas intensa obra a relação da dor e da poesia fazem uma união humana, ela praticamente se materializa. Sentir a parcela de mágoa, de sofrimento, de felicidade e de esperança que Volúpia compartilha naquelas frases, que são sentimentos particulares e profundos da autora, sobre sua relação com a identidade e da figura paterna que a ama, mas abomina sua particularidade; e seu amor por Ela / Ícaro. Achei tudo tão triste e ao mesmo tempo tão bonito. Como disse, a leitura foi visceral. Senti mais do que consigo expressar.

Eu fiquei com o coração constantemente apertado em Carne Exposta, principalmente com a parte da relação entre pai e filha e a homossexualidade. Essa foi pra deixar qualquer um baqueado (Ç_Ç). Imagino como tenha sido difícil para Elisa repassar todos esses sentimentos para o papel. No entanto acredito que ela conseguiu com maestria driblar as dolorosas emoções envolvidas, que ainda podem doer, mas transformando-as em arte e inspiração para outras pessoas. Felizmente dei um suspiro de alivio e sorri quando Ela / Ícaro aparece na vida de Volúpia. Uma união com respeito e compreensão que foi libertadora para ambas (^_^). O ato de amar sempre causa este efeito!

Carne Exposta_Arte

Carne Exposta

O que escrevo acima não passa de impressões que tive ao ler cada título. Minha percepção das coisas provavelmente está errada naquilo que a autora quis passar, mas a literatura é isso, um meio de dialogar. Sendo correta ou não da mensagem original, amei conversar com a personagem Volúpia. Espero encontra-la novamente (^o^/).

Sobre a arte de Elisa de Azevedo, descrevê-la é um desafio, já que o desenho é belo por si só. O que posso dizer que supere a beleza? Já sei! A liberdade que sinto em Volúpia. Quando olho para ela em todas as suas formas, com seu cabelo rebelde cobrindo os olhos e os pontos em destaque no seu corpo nu, sinto uma fluidez que, mesmo com todos os percalços e desafios, ela detém as rédeas de sua vida. Volúpia é uma personagem empoderadora ♥.

Eu não consigo escrever mais sobre Resiliente e Carne Exposta, de Elisa de Azevedo. Não consigo alcançar a profundidade daquelas frases que dialoga tão bem com aquele que lê.

.

Título: Resiliente / Carne Exposta
Autora: Elisa de Azevedo
Editora: Independente
Páginas: 14 / 20
Ano: 2015 / 2016

Anúncios

6 respostas em “Híbrido: Resiliente e Carne Exposta – Elisa de Azevedo

  1. Pingback: {Apreciando um carinho} Retrato de Artemísia na Pia | Lulunettes

  2. Lulu!!! Muito obrigada pelas palavras, por ter ido me ver, por querer conhecer e gostar do meu trabalho!!! 🙂 Adorei seu blog. Vou tentar organizar o meu para ser como um portifólio – rsrs, vamos ver se eu consigo não fazer nenhum texto 😛

    beijos!!

    • Elisa, seu trabalho é maravilhoso! Eu realmente adoro! (^_^)
      Obrigada! Acabei de ver que você migrou para o wordpress. Olha, acho difícil você não escrever uma palavrinha ou outra, hahahahaha.
      Beijos!

  3. Pingback: Os melhores de 2016 | Lulunettes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s