Livro: Um Teto Todo Seu – Virginia Woolf

Um Teto Todo Seu - Virginia WoolfA renomada escritora Virginia Woolf foi convidada pelas faculdades de Newham e Girton, em 1928, para falar sobre ‘As mulheres e a ficção’. Refletindo sobre o tema, a autora inglesa nos leva, nestes seis ensaios, a uma encenação literária, uma viagem através do tempo – do século XVI ao século XIX – seguindo os passos de mulheres diante da condição feminina.

Em um estilo evocativo e irônico, ela detalha as condições materiais que limitam o acesso das mulheres a escrita. Virginia Woolf também incide sobre as restrições do casamento, do cuidado a casa e aos filhos, que não dão tempo para a mulher dedicar-se a escrita, ou, qualquer outra atividade intelectual. Segundo Virginia, as mulheres precisariam de independência financeira, quinhentas libras por ano seria suficiente, e um teto todo seu, de preferência com tranca na porta, para se concentrar.

Vocês notaram que em vários momentos durante a leitura a discussão era bruscamente interrompida por assuntos mundanos? Estranhava essa interrupção e inicialmente não captei as intenções da autora com aquela quebra de pensamento. Quando percebi a mensagem achei simplesmente genial! A suspensão proposital no texto, tão estampado aos olhos e que tem o risco de ser facilmente mal interpretada, é para sentirmos como as mulheres dos séculos passados eram frequentemente interrompidas. Sem as condições materiais sugeridas por Virginia e consequentemente à liberdade, criar se torna uma tarefa complicada.

No terceiro ensaio *meu preferido*, um bispo de caráter falho diz que era impossível que houvesse uma mulher com a genialidade de Shakespeare no passado, no presente ou no futuro. Virginia então se pergunta “[…] o que teria acontecido se Shakespeare tivesse tido uma irmã incrivelmente talentosa chamada, digamos, Judith.” (pg. 70) As imposições permitiriam Judith de usar seu potencial criativo ou morrer tragicamente? Ela compara, de forma espetacular, as condições de vida de Shakespeare e de sua irmã fictícia.

Mesmo nessa condição de opressão, houve mulheres que produziram. Seus escritos eram publicados no anonimato ou por pseudônimo. Diante da sociedade elas tiveram que enfrentar o discurso dominante que as desencorajavam e que definiam suas obras como insignificantes por lidarem com sentimentos. O importante, diziam os críticos, é a guerra. Enfim, mesmo com suas preferências literárias, Woolf sugere as mulheres que escrevam sobre o que quiserem e não o que os outros querem que você escreva (^_~).

Para alguns Um Teto Todo Seu está datado, pois em pleno século XXI temos mulheres escritoras, com prêmio Nobel e profissionais mulheres em várias áreas. Entretanto os ensaios, infelizmente, ainda são atuais. É verdade que conquistamos alguns direitos, porém não temos direitos plenos e o patriarcado deste século ainda nos impõe funções e condições. Acreditem, falecidas autoras renomadas são lembradas pelo seu peso e não por seu trabalho; livros escritos por mulheres para mulheres são classificados automaticamente como subliteratura; clássicos, por exemplo, como as obra de Jane Austen, são definidos como “literatura de mulherzinha” em tom pejorativo; como personagens somos estereotipadas e / ou objetificadas; e na classe social mais baixa, ainda existem meninas e mulheres que não são / foram alfabetizadas, que vivem em condições medievais, sendo tratada como produto, vivendo como nos séculos passados.

Por esses problemas sociais de classe que a Shakespeare feminina só nascerá quando todas nós formos emancipadas desta condição subjugada, quando os companheiros inseparáveis – capitalismo e patriarcado – caírem e o sistema de classes ruírem, pois os valores dominantes na cultura e senso comum serão igualmente modificados nesta transformação da sociedade.

.

Título: Um Teto Todo Seu
Título original: A Room of One’s Own
Autora: Virginia Woolf
Tradução: Bia Nunes de Souza
Tradução dos Poemas: Glauco Mattoso
Posfácio: Noemi Jaffe
Editora: Tordesilhas
Páginas: 240
Ano: 2014

Anúncios

10 respostas em “Livro: Um Teto Todo Seu – Virginia Woolf

    • Você vai gostar de “Um Teto Todo Seu”, Lua! Virginia Woolf dominou no mês de fevereiro, rs. Por aqui também não deu para participar do fórum Entre Pontos e Vírgulas 😦 Obrigada! (^_^) Beijos!

  1. Lulu, eu percebi isso que você ressaltou! Esse vai e vem da escrita da Virginia é muito genial! Aliás é um livro que fala bastante nas entrelinhas… tinha horas que eu ria muito da ironia dela.
    O terceiro ensaio também foi meu preferido. Incrível a digressão que ela faz para chegar em uma conclusão que é tão óbvia, mas que fica escondida nas nossas tradições do patriarcado. Afinal, é mais fácil dizer que a mulher não tem capacidade de escrever igual ao homem do que admitir o que realmente acontece. É mais fácil para os homens, claro.
    Adorei sua resenha e fico muito feliz que você gostou do livro!!
    Beijos!!

    • Também achei, Tati! Virginia Woolf foi genial neste detalhe! Se o leitor se sente desconfortável na leitura com as interrupções, para a escritora então um tremendo incômodo à quebra de pensamento. Isso mesmo, o livro fala nas entrelinhas, nada é escrito sem motivo. A ironia dela é ótima!

      O terceiro ensaio é perfeito! Excelente para usar como exemplo. Pois é, ela precisou “desenhar” uma realidade tão estampadas aos olhos, mas que não querem admitir ou têm dificuldade em enxergar. Porém é mais conveniente deixar a mulher em uma condição subjugada, pois os homens (culturalmente) e principalmente o sistema capitalista (mão de obra mais barata) se beneficiam.

      Obrigada, Tati! (^_^) Adorei “Um Teto Todo Seu” ❤ Ah, já passei no fórum 😉

      Beijos!

  2. Lulu, que resenha linda. Fiquei muito tentada a acompanhar vocês esse mês, mas você sabe da minha atual condição, rs. E esse livro parece provocativo de um jeito que me agrada.
    Bjs 😊

    • Obrigada! (^_^) Eu quase não consegui, mas felizmente deu certo \o/ “Um Teto Todo Seu” é do tipo provocativo, mas que agrega uma reflexão profunda. Você vai gostar 😉 Beijos, Maira!

  3. Super concordo com você! Está muito enganado quem diz que esse livro está datado. Não o li, mas sua resenha está muito boa e me permitiu saber direitinho sobre o que trata.
    Ainda hoje, mulheres que desejem aumentar suas chances de ganhar algum prêmio literário são obrigadas a adotarem pseudônimos masculinos. E qualquer literatura feita por uma mulher automaticamente vira literatura feminina, ou seja, destinada somente a mulheres, por ser “sensível”. Por que toda mulher tem que ser sensível?
    Ótimo texto, e ótimo timing! Eu li às vésperas do Dia da Mulher e bem no dia em que “feminicídio” passou a ser considerado crime hediondo. 🙂

    Eu vou com certeza ler esse livro, me interessou demais. Obrigada pela sua ótima dica!

    Um abraço,
    Mona
    http://www.literasutra.com

    • Num é, Monalisa! Discordo de quem ache que este livro está datado. As opressões não cessaram com o passar dos séculos.

      Bem lembrado que ainda hoje escritoras usam pseudônimos masculinos ou neutros para conseguir vender seus livros. Triste este pré-conceito com autoras (U_U). Essa de acharem que livros escritos por mulheres terá conteúdo açucarado é pura ignorância. E se for não tem problema, pois independente do gênero somos seres providos de sentimentos. Isto não é uma característica unicamente da mulher.

      Obrigada! (^_^) Fico feliz que tenha gostado! Pois é, próximo ao dia que não queremos flores ou chocolates, mas direitos iguais!

      Leia sim! Depois quero saber suas impressões, ok?! 😉 E também fique a vontade para passar no grupo e conversar com o pessoal. De nada! (^_^)

      Abraços, Monalisa!

  4. Lulu, adorei sua resenha! Acredita que ainda não li esse? Apesar da Virginia ser uma das minhas preferidas, ainda não tive coragem. Mas as nuances que você ressaltou me mostraram a importância do texto dela e que nada tem de datado. Acho que precisamos sim parar de subjugar a literatura feita por mulheres. Nem consegui participar do fórum. 😦 Adorei!
    http://www.rascunhoscriticos.wordpress.com

    • Obrigada, Anna Lua! (^_^) Pois trate de reparar este erro e leia Um Teto Todo Seu hehehe 😉 Este livro da Virginia Woolf não é nada datado e quem diz o contrário não percebe o machismo que ainda nos ronda. Anna, só consegui participar deste 😦 , pois excesso de responsabilidades surgiram por aqui. Mas não desanime, teremos os próximos meses e sempre dá para comentar nos tópicos passados. Beijão!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s